Gatos

6 dicas para adestrar seu gato

Por

Lucas Silva 

| Publicado em

Uma coisa que a ciência descobriu só nos últimos anos, mas a gente que tem gatos, sempre soube é: gatos e cachorros têm uma inteligência parecida. Isso é, gatos aprendem a pular, abrir coisas, têm memórias, sabem reconhecer alguns sentimentos…

Assim, gatos também podem ser adestrados. Tanto para fazer truques engraçadinhos, quanto para não fazer coisas desagradáveis, tipo xixi no carpete. Porém, alguns tutores, mesmo mais experientes e vividos, ainda sofrem para ensinar seus felinos.

Isso acontece, porque os gatos são tão inteligentes, quanto independentes. Lembra dos grandes felinos: onças leopardos, tigres? São caçadores solitários. E essa solidão está no sangue do seu gato

Ou seja: adestrar não é simplesmente você falar com o gato, e ficar dando biscoitos. Adestrar um gato exige técnicas. Aqui vamos mostrar a 6 principais que, tenho certeza, vão ajudar a fazer seu pequeno leão virar o tufo de pelos carinhoso que ele, na verdade, é.

ANÚNCIOS

Mas antes: por que adestrar?

Quem pensa que adestrar um animal é só ensinar ele a sentar e pegar um brinquedo, está enganado! Adestrar é muito mais do que isso.

Primeiro, quando adestramos um gato ou cachorro, estamos ensinando a ele comportamentos e regras de conduta e convivência. ou seja, quando adestramos, estamos ensinando ele a “falar” e a entender melhor o que a gente diz.

Segundo, quando adestramos, estamos pondo limites no animal. Quem tem um gato sabe: se o felino não for adestrado, ele vai mexer em tudo, até onde não deve.

Terceiro, adestrar seu gato vai ajudar ele a se adaptar melhor, à casa e à rotina, depois da castração. Sem estímulos hormonais, o gato não vai agir de forma selvagem; Por outro lado isso não significa que ele vai estar manso e obediente.

Então, o adestramento é importante, SIM!

ANÚNCIOS

06. Saiba convencer o seu gato

Adestra um gato não é tarefa simples. Se você pensar num tigre, você entende os motivos. Tigres são independentes. Eles não se juntam em grupos esperando o líder dizer como agir, quem atacar, onde ir.

Quem faz isso são os lobos, que vivem em alcateias.

Um gato é quase um tigre. O gato doméstico têm suas origens em felinos selvagens, que, por sua vez, vêm de grandes felinos. E todos eles são animais solitários, em alguma medida, e independentes.

Ou seja, dar ordens ao seu gato não vai funcionar.

Para você convencer seu gato fazer alguma coisa, a regra é o fazer perceber que aquela ação é vantajosa. E nesse caso, não é só vantajoso em termos de petiscos.

Abraços, brinquedos, afagos, e sorrisos também contam para o gato. Então, valorizar uma ação com agrados vai mostrar que essa ação vale à pena.

ANÚNCIOS

05. Ensine aos poucos

Não adianta nada você reclamar que seu gato não te obedece, se você não for aos poucos. O gato é inteligente, mas não é um gênio. Nem nós somos. A gente precisa ir devagar. O gato também.

Comece ensinando onde o gato deve fazer xixi. Não é tão engraçado você dizer “Meu gato sabe exatamente onde é a caixa de areia”, quanto seria “Meu gato sabe abrir o armário de comidas”. Mas prioridades vêm primeiro.

Comece com coisas simples, como os locais do xixi, lugares onde ele não deve ir, coisas que ele não deve morder.

04. Não seja bravo demais

Quando vamos adestrar um gato, assim como a um cachorro, não devemos ser bravos demais. O cachorro ainda tem o senso de grupo na sua genética. Isso quer dizer que ele aguenta melhor ouvir uns “Nãos” gritados.

O gato não. Por ser um animal muito independente, ele não vai entender seus gritos, tanto, como uma forma de educação. Antes, vai ficar bravo, com a sensação que você vai atacar ele.

Logo, ele uma hora vai te atacar primeiro e, rapidinho, se esconder.

Ficar um pouco bravo, dar uns gritos, esboçar um rosto de desagrado é importante. Logo, o gato entende que você não vai aceitar tudo. Mas também, não guarde rancor por muito tempo – dessa forma, o gato entende que aquela bronca foi por causa daquela ação.

Seu gato mia quando está feliz? Ou só quando está triste? Descubra sobre os miados dos gatos.

ANÚNCIOS

03. Só dê broncas no momento exato do erro

Continuando o tópico anterior. Quando você for adestrar seu gato, só dê a bronca quando o erro acontecer.

Os gatos não pensam, tanto, de forma sequencial, quanto nós. Por exemplo, se o felino fizer xixi no tapete e logo depois, for morder um brinquedo, não fique bravo, porque animal vai achar que é pelo brinquedo. E não pelo xixi.

E, de novo, não guarde rancor. O gato não vai ficar no canto dele, remoendo-se de raiva, ele vai fazer outra coisa. Essa outra coisa pode, e deve, ser elogiada, para o felino perceber que ações diferentes levam a reações diferentes.

02. Dê petiscos

Um dos melhores elogios, quando você for adestrar seu gato, é pelos petiscos. Não os grãos de ração, mas um biscoito, com sabor diferenciado.

Não use a comida diferenciada como ração. E nem gaste ela com qualquer coisa. Se o gato está parado, você não precisa dar um biscoito. Vai parecer que estar parado é algo bom, e esse comportamento vai ser repetido.

Dê petiscos quando vocês estiverem brincando. Quando você precisar que ele se afaste (quando você estiver no celular escrevendo um comentário pro Senhor Gato, e seu felino vier sentar, justamente, no teclado). Quando você precisar sair, e o gato vai ficar.

O petisco é um estímulo. Como você vai querer estimular seu bichano?

ANÚNCIOS

01. Elogie

Pode não parecer, mas gatos entendem variações no nosso tom de voz. O som de uma fala brava é diferente de um elogio.

Use isso ao seu favor. Não que seu gato vá entender o significado das palavras. Contudo, o somo de um elogio será melhor pro ouvido dele, que o som de um berro.

Ele não se sentirá ameaçado, se você não gritar. Vai se sentir querido, aceito, seguro, tranquilo.

Sua voz de elogio será tipo um código, de que ali, agindo daquela forma, ele não estará sob risco de “ataque”.

Bônus: Use o spray educador para gatos – evite o famoso “borrifão de água”

Evite o famoso borrifão de água. Tradicionalmente, falava-se em espirrar água na cara de cães e gatos que fizessem alguma bagunça.

Esqueça.

Borrifar água fará seu animal ficar com medo, estressado, e mais esperto na hora de fazer o erro (no sentido de que ele esconderá melhor o “ônus da prova”). Pior, talvez faça seu animal ficar bravo, quando você tentar dar um banho.

Por outro lado, os sprays educadores podem te ajudar. São líquidos com perfumes naturais (alecrim, menta, etc.), mas que os gatos não gostam, e em fórmulas antialérgicas para eles.

Esse recurso não é, simplesmente, molhar seu gato com o perfume. É molhar a área a ser evitada. Um espirro do spray no pé da sua estante de livros e pronto – por algumas horas, ou dias, o bichano não vai querer subir lá.

Compre aqui.

E você, já adestrou seu gato? Achou difícil? Fácil? Conte para nós como foi essa experiência! E sobre as técnicas, o que você achou? Faltou falarmos alguma coisa? Escreva nos comentários.

E, para não perder mais nenhuma postagem do Senhor Gato, se inscreva na nossa newsletter e fique sempre por dentro de nossos conteúdos!

Dicas

Cuidados com gatos filhotes: O que você deve saber

Por

Senhor Gato 

| Publicado em

Acabou de adicionar um gatinho filhote em sua família? Descubra tudo que você deve saber sobre veterinário, alimentação e muito mais!

Assistir seu gatinho crescer será uma das coisas mais divertidas que você já fez! Poucas coisas são tão fofas quanto gatos filhotes, mas toda essa fofura também traz muita responsabilidade. Em geral, as primeiras doze semanas são as mais importantes. Essa é a hora que você cria bases sólidas para a saúde e comportamento do seu felino.

Se você é a sortuda nova mãe ou pai de um gatinho filhote, continue lendo para saber o que você deve esperar das primeiras semanas.

O que esperar da primeira visita ao veterinário

Levar seu gato filhote ao veterinário é uma das primeiras coisas que você deve fazer. Essa visita é importante porque descarta quaisquer problemas de saúde, e te permite fazer perguntas importantes. Seu veterinário fará um check-up completo que inclui:

  1. Uma revisão do histórico de seu gato filhote. Seu veterinário provavelmente vai querer saber onde você o encontrou (se foi, por exemplo, comprado ou adotado), e qualquer outro atendimento médico que seu gato possa ter recebido até então.
  2. Um exame minucioso da boca, orelhas e olhos do gatinho, seguido por um exame do corpo, sentindo delicadamente o abdome, os gânglios linfáticos, as articulações e a pele. Além disso, ele fará observações dos movimentos do gatinho.
  3. Recomendação para cirurgia de castração se o gatinho já não tiver sido castrado. Esses procedimentos ajudam a evitar comportamentos futuros e problemas médicos.

Seu veterinário pode recomendar que seu pequeno felino receba várias vacinas. As vacinas tipicamente administradas nessa idade incluem a antirrábica e a tríplice (V3), que é para um trio de doenças do trato respiratório superior: rinotraqueíte felina, calicivírus felino e panleucopenia felina. Seu veterinário também pode sugerir vacinas adicionais, dependendo do histórico de seu filhote e do número de animais de estimação em sua casa.

Por último, faça quantas perguntas forem necessárias! Saber quais comportamentos são normais para um gato dessa idade vai te ajudar a identificar comportamentos anormais caso eles ocorram. Portanto, não hesite em tirar suas dúvidas.

Como brincar com um gato filhote

Cada gatinho tem sua própria personalidade, mas a maioria dos gatos filhotes tem muitos traços comportamentais em comum. Em primeiro lugar, eles gostam de brincar! Brincar os ajuda a aprender sobre o mundo à sua volta e a socializar-se com pessoas e outros animais de estimação. Seu gatinho vai começar a exibir comportamentos instintivos naturais ao brincar, como perseguir e atacar brinquedos (ou outros gatos!).

Quando seu felino estiver brincando, nutra bons comportamentos que vão se estender até sua vida adulta. Nunca incentive seu gatinho a brigar com sua mão ou outras partes do corpo. Isso vai ajudá-lo a entender que morder e arranhar não é um comportamento aceitável. Você pode ajudá-lo a satisfazer esses instintos introduzindo brinquedos seguros, sem partes soltas que ele possa mastigar, ingerir ou engasgar.

Brinque com o seu gatinho pelo menos uma vez por dia. Isso irá ajudá-lo a formar uma forte ligação emocional com você. Se você tem filhos, monitore essa interação para ter certeza de que é uma experiência positiva tanto para o gatinho quanto para a criança.

Como estabelecer padrões de sono

Depois de brincar, seu gatinho provavelmente participará de mais um de seus passatempos favoritos: dormir! Para ajudar seu gatinho a estabelecer hábitos de sono, brinque com ele uma hora antes de dormir à noite. Isso ajuda a gastar sua energia para seu felino dormir a noite toda e recarregar suas baterias depois de tantas brincadeiras.

Observe mudanças de comportamento

Gatos filhotes são naturalmente ativos e brincalhões – se o seu gatinho está exibindo comportamentos letárgicos e não demonstra interesse em comida, procure um veterinário imediatamente.

Alimentação: como e o que seu felino deve comer

Você provavelmente vai receber recomendações de seu veterinário para uma alimentação completa e equilibrada. Há muitos alimentos secos e enlatados feitos especificamente para as necessidades nutricionais de gatos filhotes.

Como seu gatinho está crescendo rapidamente mas ainda tem um estômago pequeno, ele vai precisar fazer refeições pequenas e frequentes. Crie uma rotina de refeições que lhe permita comer freqüentemente ao longo do dia. Ao oferecer alimentos enlatados, descarte as sobras que ficarem no prato por mais de 20 minutos. Sempre deixe água limpa e fresca à sua disposição. Por fim, não ofereça leite. Ao contrário da crença popular, o leite de vaca não é nutritivo o suficiente para gatos filhotes, e pode fazer com que tenham diarréia.

Cuidados regulares com seu gato filhote

Embora os gatinhos comecem a se lamber (sua própria versão de banho) em torno de 3 a 4 semanas de idade, pode ser que eles ainda não tenham formado esse hábito. Apresente cuidados regulares para acostumar seu gatinho a ser escovado, penteado, e ter suas unhas aparadas.

Torne este processo mais fácil e divertido introduzindo as ferramentas de cuidados gradualmente, e permitindo que seu felino as explore antes de usá-las. Deixe-o cheirar e brincar com o pente, e elogie quando ele te permitir escovar seu pêlo ou aparar suas unhas.

Torne esses momentos tão relaxados e divertidos quanto possível, para que seu gatinho faça associações positivas. Você pode até mesmo oferecer um petisco quando ele te deixar cortar suas unhas. Desse modo, seu gatinho vai ficar animado toda vez que te ver com o cortador de unha. A ideia é fazer com que esses cuidados virem rotina para seu gatinho quando ele ainda é jovem, para que essa rotina seja normal e fácil em sua vida adulta.

Como ensinar seu gatinho a usar a caixa de areia

Uma das principais preocupações de novos pais de gatos envolve a caixa de areia. Embora esse comportamento seja instintivo e a maioria dos gatos o adquira por conta própria, alguns felinos precisam de uma pequena ajuda.

Coloque-os gentilmente em uma caixa de areia depois de comer, e sempre elogie quando tiverem sucesso.

Garanta um comportamento bem-sucedido:

  1. Forneça várias caixas em áreas que o gatinho possa encontrá-las facilmente.
  2. Mantenha as caixas limpas.
  3. Impeça que outros animais perturbem seu gatinho quando ele estiver usando a caixa de areia.
Continuar Lendo

Em Alta